Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 23 de janeiro de 2010

Informativo geral sobre o Blog





Introdução

O Parque Taquaral é uma área que pertence ao povo campineiro. Com uma extensão de 35 alqueires, aproximadamente, esse parque foi inaugurado em 1972, nas terras adquiridas pela prefeitura da família Alves de Lima, onde existia a chamada Fazenda Taquaral. Esse parque, cujo nome oficial é Parque Portugal, é um dos mais importantes espaços de lazer da cidade de Campinas. Ali está reunida uma grande variedade de espaços recreativos e culturais, a começar pela Lagoa Isaura Telles Alves de Lima, que oferece o uso de pedalinhos, uma réplica exata da Caravela Anunciação (nau que trouxe Pedro Álvares Cabral às terras brasileiras, com 29,65 m de comprimento por 8,64 de altura, 6 velas de tecido com a cruz da Ordem de Cristo ao centro) e espetáculo de “águas dançantes” de uma fonte sonora (nos finais de semana). Já na extensa área verde que rodeia a lagoa principal, encontram-se bosques destinados a piquenique; viveiros de pássaros; área com aparelhos de ginástica; 2 playgrounds, lanchonete, sanitários e um percurso de 3 km de bondinhos (os mesmos que serviram Campinas até 1968). Entre os equipamentos culturais, o Parque Taquaral oferece a Concha Acústica - Auditório Beethoven (com capacidade para 2.000 pessoas); o Museu Dinâmico de Ciência; o Planetário; o relógio solar; o Centro de Vivência dos Idosos (no antigo Ginásio de Bocha) e a "Esplanada das Bandeiras" (praça destinada a eventos cívicos e culturais). Entre os equipamentos esportivos, encontram-se o Ginásio de Esportes “Alberto Jordano Ribeiro” (com quadra de voley e basquete); o Balneário Municipal (com 3 três piscinas abertas ao público), uma pista de corrida, com extensão de 2.725 m; um kartódromo, uma pista de aeromodelismo; uma ciclovia de aproximadamente 5km; uma pista de patinação (também usada para aulas gratuitas de aeróbica) e 16 quadras poli-esportivas.
Além da área fechada por alambrado existe o espaço, aberto, chamado Arautos da Paz, incorporado em 2003 e que ampliou a pista de corrida externa para 5.750m, além de oferecer um local de excelente qualidade para grandes eventos ao ar livre.

Problemas do parque

1)-A caravela, retirada da água e semi-desmontada, está apodrecendo às margens do lago. Parece que a sua reforma está orçada em 2 milhões de reais.
2)-A pista interna de corrida, sem drenagem e manutenção adequadas, está cheia de buracos, valetas e erodida em vários pontos.
3)-A Concha Acústica está depredada, mal iluminada, com bancadas quebradas e sujas.
4)-O esgoto continua, criminosamente, sendo despejado na lagoa.
5)-A situação das lanchonetes parece um grande mistério.
6)-A insegurança na área interna do parque continua um desafio, principalmente em horários de menor procura.
7)-As quadras e campos de jogos estão em estado calamitoso.
8)-A situação do espaço que ocupa o kartôdromo, elitista e poluidor, precisa ser resolvida.
9)-As enchentes, principalmente, entre as portarias 2 e 3, já levaram carros ali estacionados a terem perda total.
Observação: acabo de conhecer de perto o Centro de Vivência do Idoso, que também fica no interior do parque. Recentemente esteve naquele local a Coordenadora da Saúde do Adulto e do Idoso para conversar com os usuários do centro. Achei muito apropriada a atitude e a iniciativa, uma vez que permite ao cidadão colocar as suas dificuldades e problemas na utilização do centro e assim melhorar o atendimento e otimizar a prestação dos serviços daquele local.

Propostas

O parque pode vir a ser um espaço auto-sustentável e com um aproveitamento muito melhor, por todos os campineiros. Para que isso aconteça, é indispensável que nós, campineiros, tomemos a frente dessa ação, exigindo uma gestão mais eficiente e responsável e, porque não, contribuindo, seja com idéias, seja com parcerias, para que isso venha a se realizar. Culpar somente o poder público não é nem inteligente e nem eficaz, o segredo é compor com quem pode ajudar e começar a agir.
O Parque Taquaral necessita, em primeiro lugar, de um projeto, um grande projeto, que possa se estender no tempo, com um cronograma de ações ao longo do tempo e de modo que todos possam contribuir, de acordo com suas possibilidades.
O parque necessita de recursos, com certeza, mas no meu ponto de vista o recurso de que ele menos precisa é o financeiro. O parque precisa, antes de tudo, de sustentabilidade e para isso o recurso mais eficaz é ser conhecido e reconhecido, pela população, como uma área nobre e extremamente útil. Aquilo de que o parque mais necessita, dinheiro não compra, talvez possa dar a impressão no início, mas com o tempo, se os seus usuários não tomarem para a si a responsabilidade de conservação e de manutenção, os recursos financeiros novamente faltarão e o ciclo da degradação recomeça.
O parque precisa ser visto como um local de bem-estar, um espaço que nos traz alegria, oferece conforto, promove o encontro com os amigos, traz descontração, dá segurança, desperta a inspiração para as coisas boas da vida e permite a prática do nosso esporte predileto.

Conclusão

O Parque Taquaral não pertence à prefeitura e sim a sociedade campineira. O poder público precisa estar presente sim, mas sem paternalismo, apenas como órgão normatizador, fiscalizador e de apoio. Ao cidadão cabe a gestão, responsável e eficiente, uma vez que ele será o maior beneficiário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário